quinta-feira, 22 de março de 2007

Quando março nom marceia...

Parece que a primavera chegou só cronologicamente. Meteorologicamente parece que a cousa vai demorar. E, se lhe fazemos caso ao provérbio —Quando março nom marceia, abril das suas espera—, melhor será armarmo-nos de paciência. A sabedoria popular, que nom acostuma enganar-se em matéria de tempo, bem nos avisa de que por estas latitudes a primavera é em geral inestável, chuvosa e, com um pouco de má sorte, por vezes mesmo fria. Porém, hai gente que nom deixa de se surpreender ou de se incomodar por isto. Quando voltaremos a ser conscientes de que, entre outras enxebranças, temos uma primavera de nosso um chisco traste? Nom será que nos estamos a tornar cada vez mais adictos ao sol e à praia?
Tenho às vezes a impressom de que nos estamos mediterraneizando. Nom sei se é polo aquecimento global, pola pérfida pressom dos mídia espanhóis (oh argumento socorrido!) ou porque no fundo os galegos também somos uns viciosos e uns preguiçosos. Já bailamos mais rumbas que muinheiras e se quadra estamos já caminho de nos botar 'pra adiante e de parecer muito mais "hots". Nisto já vamos aprendendo alguma cousa graças à galega de Cancún e ao Salom Erótico do Atlántico, pero, reconheçamo-lo, ainda fica muito para que nos podamos considerar fogosos e apaixonados. Boa prova disso som muitas das nossas séries, onde os romances acostumam ser pousados e tranquilos, e as mostras de carinho rara vez ultrapassam os limites do politicamente correcto.
Por favor, ensaiemos um momento hot com umas rapazas que sabem de frio muito mais que nós: da Polónia, as Mass Kotki com Brutalny Erotyzm.

2 comentários:

SrtaBungle disse...

Marzo marzolo torbón e raiolo!!!!

arrecona disse...

oes! e eso de Nunca choveu que non escampara é así ou tou dándolle unha volta que non é???